terça-feira, 28 de dezembro de 2010

FELIZ ANO NOVO: EM 2011, TRANSFORME PEDRAS EM FLORES

Das Pedras
Ajuntei todas as pedras
que vieram sobre mim.
Levantei uma escada muito alta
e no alto subi.
Teci um tapete floreado
e no sonho me perdi.

Uma estrada,
um leito,
uma casa,
um companheiro.
Tudo de pedra.

Entre pedras
cresceu a minha poesia.
Minha vida...
Quebrando pedras
e plantando flores.

Entre pedras que me esmagavam
Levantei a pedra rude
dos meus versos.


Cora Coralina


TEMPORADA 2011 - PROGRAMA DE TURISMO PARA A TERCEIRA IDADE

Rio de Janeiro - O programa Viaja Mais Melhor Idade, do Ministério do Turismo, em parceria com a Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), para atender os turistas brasileiros maiores de 60 anos, inicia no próximo dia 9 de janeiro a temporada 2011, com inovações.
Segundo o gerente nacional do programa, Enzo Arns, essa temporada se diferencia da anterior porque oferece, pela primeira vez aos aposentados, a oportunidade de viajar no verão, que é considerado um período de altíssima temporada turística. Em 2010, a temporada começou em março.
“Hoje, como já tem uma venda de baixa temporada bastante consolidada, a gente não vê problema de oferecer também um produto de alta temporada, até porque tem demanda, tem um público interessado. Significa a maturidade desse programa, que está com pouco mais de 3 anos e é exitoso em todas as suas vertentes”, explicou.
A nova temporada será aberta por um cruzeiro no navio Imperatriz, da CVC, uma das operadoras credenciadas do programa, do qual participarão pelo menos 500 passageiros da melhor idade. A capacidade total do navio é de 1.600 passageiros, dos quais boa parte deverá ser de acompanhantes de idosos. Enzo Arns explicou que o atendimento às demandas dos turistas com mais de 60 anos foi iniciado já a partir do segundo semestre deste ano, com a venda de pacotes para assistir ao Natal Luz, em Gramado (RS), e para as praias do nordeste.
“Era um destino muito procurado pelos idosos e que agora a gente passou a oferecer. Ele começou em novembro e vai até 15 de janeiro”, disse. No total, são quase 5 mil passageiros atendidos nesses dois destinos.
O ano de 2010 representou o melhor resultado do programa Viaja Mais Melhor Idade, com 210 mil pacotes vendidos até agora. A expectativa, porém, é encerrar o ano com cerca de 230 mil pacotes vendidos, o que significará 15% a mais do que o volume registrado em 2008, que foi o melhor ano de vendas. Desde sua criação, em setembro de 2007, o programa comercializou 600 mil pacotes turísticos.
Em 2011, segundo Enzo, a tendência permanece de crescimento. “A expectativa é ainda mais ousada. A meta é ultrapassar a marca dos 300 mil pacotes vendidos”.
Enzo lembrou que o programa não se restringe somente à venda de pacotes turísticos, mas engloba descontos na aquisição de hotéis e, mais recentemente, descontos de 25% a 35% em passagens aéreas, graças à parceria com a empresa de aviação Trip.
O ano de 2010 marcou, ainda, a realização dos primeiros pacotes turísticos do programa para o exterior. O destino foi o Chile. Em 2011, deverá ser incluído um novo destino internacional no programa, que é a Argentina. “A gente tanto vai receber argentinos no Brasil, como encaminhar brasileiros para destinos na Argentina”, disse.
Edição: Fernando Fraga
Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil

sábado, 25 de dezembro de 2010

Mestre!. Agradeço-te pela graça de celebrar a Terceira Idade.

Mestre! "Agradeço-te pela graça de celebrar a Terceira Idade. Quero viver intensamente este sábio período da vida, mantendo a energia de um espírito jovem e transcendente. Quantas recordações pairam em meu coração: felicidade, lágrimas, desafios, histórias... mas sei que a cada amanhecer surgem novos caminhos para trilhar. Peço-te, Senhor, sabedoria para assimilar as inovações, otimismo para ocupar o tempo com atividades, saúde para desfrutar outonos e primaveras. Ofereço-te os sonhos realizados ao lado minha maravilhosa família. Na esperança de novas realizações prosseguirei com fé para cumprir a grande missão de minha vida." Autor: ( Luisinho Bastos )

MEXA-SE COMO UMA CRIANÇA

A atividade física é um grande fator de promoção da qualidade e da duração da vida. Ande, pratique alongamento, dance. Não pare... Coma como um índio. Evite produtos industrializados. Coma menos gorduras. Abuse das frutas e verduras. Use pouco sal, reduza o consumo de açúcar...
DURMA COMO UM GATO. Descanse o suficiente, espreguice ao acordar. Trate bem o seu corpo...
TENHA A PERSISTÊNCIA DE UM CAMELO. Seja disciplinado. Mantenha seu compromisso de envelhecer com saúde. Trace objetivos e tarefas. Mantenha seus sonhos vivos...
TENHA A ALEGRIA DE UM GOLFINHO. Valorize as coisas boas que a vida nos dá. Não seja amargo ou rancoroso. Viva o dia de hoje...
SEJA INDEPENDENTE COMO UM PÁSSARO. Não dependa de ninguém para o seu bem estar...
TENHA A SOLIDARIEDADE DE UM CÃO. Faça-se necessário. Seja disponível. Mantenha-se fiel às causas sociais... Mantenha sua crença na vida, no amor e na fraternidade." Autor: ( Desconhecido )

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

PRESBITÉRIOS CRIAM SECRETARIA DA TERCEIRA IDADE

A SGTTI-IPB parabeniza o Presbitério Litoral Sul de Pernambuco e o Presbitério Centro de Pernambuco pela criação da Secretaria da Terceira Idade, e aos  Rev. Rômulo Henrique e Gedeão Ferreira, respectivamente.
A SGTTI se coloca a disposição dos novos secretários no que for possível e necessário para o exercício desta nova função.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Cerca de 4,5 milhões de idosos terão dificuldades na vida diária em 2020

Rio de Janeiro - O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) estima que cerca de 4,5 milhões de idosos - 1,3 milhão a mais do que em 2008 - terão dificuldades para exercer as atividades da vida diária nos próximos dez anos. Desse total, 62,7% são do sexo feminino.

Os dados estão no livro Cuidados de Longa Duração para a População Idosa: Um Novo Risco Social a Ser Assumido?, que o Ipea lançou nessa quinta-feira (16), no Rio de Janeiro. O estudo foi organizado pela coordenadora da área de População e Cidadania do Ipea, Ana Amélia Camarano, e foi tema da mesa-redonda Cuidados para a População Idosa: De Quem é a Responsabilidade?
Para Camarano, mesmo que a proporção de idosos com incapacidade funcional diminua como resultado de melhorias nas condições de saúde e de vida em geral, ainda assim, muito provavelmente cerca de 3,8 milhões de idosos vão precisar de cuidados de longa duração em 2020.
Segundo ela, “é urgente pensar uma política de cuidados de longa duração para a população idosa brasileira, inclusive porque a oferta de cuidadores familiares tende a se reduzir nos próximos anos”.
Em entrevista à Agência Brasil, a coordenadora da área de População e Cidadania do Ipea disse que o objetivo do estudo é “levantar a discussão sobre de quem é, de fato, a obrigação de cuidar das pessoas idosas e se esse cuidado tem que se transformar em um risco social. A questão é se essas pessoas têm o direito ou não de ser segurado do Estado, como ocorre no caso da Previdência Social e da assistência à saúde”.
A pesquisadora do Ipea lembra que a Constituição Brasileira, a Política Nacional do Idoso e o Estatuto do Idoso responsabilizam as famílias por esses cuidados. Segundo ela, a publicação apresenta argumentos para que o Estado e a iniciativa privada assumam e dividam com as famílias essa responsabilidade. Segundo ela, a ausência de uma política estruturada e articulada de cuidados formais do idoso, ponto de partida para as reflexões do estudo, faz com que “hoje, a família venha a desempenhar o papel de cuidar ou descuidar de aproximadamente 3,2 milhões de idosos sem praticamente nenhum apoio, seja do Estado ou do setor privado”.
Para Camarano, a ação dos órgãos governamentais é mínima, reduzida à modalidade de abrigamento nas Instituições de Longa Permanência para Idosos (Ilpis) – os “asilos” do passado. “Esses têm origem na caridade cristã e a maioria ainda depende dela. Outras alternativas são escassas”, afirma.
“Eu acho que o Estado tem sim que assumir uma posição mais efetiva na criação de mecanismos de proteção e cuidado das pessoas idosas. Porque a capacidade de as famílias desempenharem esse papel está diminuindo ano a ano e, paralelamente, aumenta a demanda e alguém tem que assumir isso. A grande questão que se impõe é: esse é um risco social que o Estado deve assumir? Eu acho que sim, porque a perda da capacidade laborativa é um risco social decorrente da idade avançada. E o Estado já assumiu essa perda quando criou a Previdência Social e a aposentadoria por invalidez”.
O livro, diz o Ipea, parte do novo cenário demográfico (que indica (mais longevos na população brasileira), com quatro perguntas: como ficará a autonomia dos idosos para as atividades da vida diária?; a família brasileira continuará como principal cuidadora dos membros idosos?; quais as alternativas de cuidado não familiar disponíveis no Brasil?; e qual deverá ser a responsabilidade do Estado na provisão de serviços de cuidados para a população dependente?
Camarano lembra que os “asilos” são historicamente associados ao abandono familiar e à pobreza, e nessa associação está a origem do preconceito. “O livro busca desconstruir a oposição entre vida e residência em Instituições de Longa Permanência para Idosos, bem como entre “solidão” e “aconchego”. 
O estudo procura mostrar ainda que a vida nessas instituições é um pedaço da vida fora delas, uma continuação do que se vive fora delas. “Não há rupturas, como se imagina. Nelas, existem namoros, encontros, desencontros, solidão, brigas, ‘barracos’, felicidades, tristezas e muitas outras emoções”.

Edição: Graça Adjuto
Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil

Ipea projeta número de idosos com mais dificuldades nos próximos anos

Da Agência Brasil

Rio de Janeiro - O Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) promove hoje (16), às 13h30, no Rio, entrevista coletiva sobre o livro Cuidados de Longa Duração para a População Idosa: Um Novo Risco Social a Ser Assumido? A organizadora do livro, Ana Amélia Camarano, participa da mesa-redonda Cuidados para a População Idosa: De Quem é a Responsabilidade?

O Ipea faz uma projeção do número de idosos que terão mais dificuldades na vida diária nos próximos dez anos – a maioria do sexo feminino. O trabalho aborda ainda a fragilidade das redes sociais em relação aos cuidados de longa duração no município do Rio.
Edição: Graça Adjuto

Publicada lei que obriga separação de bens para casamentos com pessoas de 70 anos

Brasília - O Diário Oficial da União publica hoje (10/12/2010) a lei que muda o Artigo 1.641 do Código Civil Brasileiro para tornar obrigatória a separação total de bens para casamentos com pessoas após os 70 anos. A idade vigente até então era de 60 anos.
A medida havia sido incluída no Código Civil para evitar os casamentos por interesse – quando um dos noivos decide se unir ao mais idoso para tomar posse de seus bens materiais. A decisão de alterar o código partiu da premissa de que a população brasileira aumentou sua expectativa de vida, e a pessoa com 60 anos ainda tem capacidade de decidir sobre seu regime matrimonial.
De acordo com a autora do projeto, deputada Solange Amaral (DEM-RJ), a idade de 60 anos foi fixada quando a expectativa de vida média do brasileiro era de 60 anos.
Para o Instituto Brasileiro de Direito de Família, a alteração ameniza a situação, mas não resolve o problema. Continua a existir uma imposição discriminatória, que fere o direito do cidadão de dispor livremente de seu patrimônio.
Edição: Talita Cavalcante
Christina Machado
Repórter da Agência Brasil

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

CULTO DE AÇÃO E GRAÇAS

Na quarta-feira (09) o Rev. Pinho Borges, Secretário Geral do Trabalho da Terceira Idade,  e família, ofereceu ao Senhor da Seara, Culto de Ação e Graças, pelos 11 anos de ministério a frente da Igreja Presbiteriana da Boa Vista e pelo seu novo ministério a frente da Secretaria Geral.
Uma noite inesquecível de louvor e adoração. Na ocasião o Rev. Pinho Borges recebeu a Láurea Rev. Jerônimo Gueiros, pelos 11 anos de Ministério na Igreja. O mensageiro da noite foi o Rev. Guilhermino Cunha  e nos louvores destacamos a presença do cantor sacro Luiz de Carvalho, além da participação do Grupo Art&Júbilo e o Coro Dr. Orlando de Vasconcelos ambos da igreja local e finalizando as comemorações todos foram convidados para a confraternização que aconteceu no salão social do Edfício Jerônimo Gueiros.













terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Homens jovens têm 4,5 mais chances de morrer do que as mulheres em igual faixa etária

Thais Leitão
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro - A chance dos homens morrerem jovens, aos 22 anos, é 4,5 vezes superior à das mulheres na mesma faixa etária. De acordo com estudo Tábua da Mortalidade , divulgado hoje (1º) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), essa diferença mais que dobrou desde 1980, quando eram registrados dois óbitos masculinos para cada feminino nessa faixa etária.

Esse aumento é explicado, em grande parte, pelas mortes violentas. Entre 15 e 19 anos, os homens responderam, em 2009, por 87,35% do total de mortes violentas no país. Na faixa seguinte, entre os 20 e 24 anos, o percentual chega a 90,21%. Somente a partir dos 30 anos a tendência se inverte e as causas naturais surgem como o principal fator dos óbitos, sendo responsável por 60,18% das mortes entre 30 a 34 anos e por 70,62% para aqueles com idade entre 35 e 39 anos.

Segundo o gerente de Estudos e Análises Demográficas do IBGE, Juarez de Castro Oliveira, se esse panorama não for alterado, o Brasil poderá atingir “níveis insustentáveis”. “Atualmente já há um excedente de quase 4 milhões de mulheres na população brasileira e é bem provável que em 2050 já tenhamos 14 milhões de mulheres a mais.”

Ainda de acordo com o levantamento do IBGE, no ano passado a expectativa de vida para os homens alcançou 69,42 anos e para as mulheres chegou a 77,01 anos. Para a média da população brasileira, a expectativa de vida era de 73,17 anos.

Também houve aumento na esperança de vida dos idosos. Em 1980, um brasileiro com 60 anos esperaria viver em média 76,39 anos. No ano passado, brasileiros na mesma faixa etária viveriam em média até os 81,27 anos.

Segundo o gerente do IBGE, essa mudança é fruto da ampliação de políticas voltadas para essa parcela da população. “A chamada terceira idade não é a mesma de 50 anos atrás. Ela tem mais vitalidade, mais disposição, quer trabalhar, ter mais lazer. Hoje as pessoas chegam aos 70 e 75 anos com vitalidade, fazendo exercícios físicos, tendo boa alimentação.”

Para ele, os governos e a iniciativa privada precisam investir mais na adaptação do mobiliário urbano, que inclui as condições de deslocamento principalmente nas grandes cidades, para os idosos.

Edição: João Carlos Rodrigues

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

WORKSHOP EM NATAL – RN.

A SGTTI realizou nos dias 3 e 4 de dezembro o Workshop: Construindo a REPAPI, na Cidade de Natal no Rio Grande do Norte, precisamente na Igreja Presbiteriana Memorial do Natal, pastoreada pelo Rev. José Romeu e contou com a participação das Igrejas de Pirangibe e Alecrim . A abertura do Workshop foi um verdadeiro culto a Deus, com a participação de um coral  formado em sua totalidade formado por pessoas idosas.

No sábado foram realizadas duas oficinas que trataram dos direitos da pessoa e da necessidade das igrejas  agilizarem projetos com a finalidade de melhorar a participação dos idosos na vida ativa da comunidade eclesial.  Assim como em Governador Valadares(MG), o Rev. Romeu se comprometeu a criar junto com o Sínodo um núcleo para tratar da questão do envelhecimento no Concílio.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Dados do Censo 2010 preocupam, diz ministro da Previdência

Brasília - Os dados do Censo de 2010, divulgados hoje (29.10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) preocupam, afirmou hoje (29.10) o ministro da Previdência Social, Carlos Eduardo Gabas. Segundo ele, o resultado do censo mostra que o Brasil está no meio de uma transição demográfica.

“As projeções apontavam que em 2020 teríamos 1,8 filho por mulher, Em 2008, tivemos a informação que as mulheres brasileiras têm, em média, 1,8 filho. Isso quer dizer que, em 2020, vamos perder 30 milhões de habitantes na projeção. São menos pessoas trabalhando e mais pessoas idosas. Teremos que dar conta não só da aposentadoria como das políticas públicas para essas pessoas.”

Para Gabas, esse novo retrato da nossa população brasileira é grave. “Teremos uma quantidade enorme de pessoas idosas em pouco tempo. O mercado tem de se organizar e cada vez mais o estado brasileiro terá de se preocupar com o crescimento dessa população.”

Segundo o ministro, esse novo desenho da sociedade brasileira mostra que as mulheres estão ocupando cada vez mais espaço no mercado de trabalho. “Isso é muito positivo para o país, mas traz o reflexo no número de filhos. As pessoas estão se formando tarde, especializando-se mais e depois entrando no mercado de trabalho. Isso tem um reflexo direto no crescimento da população.”

Embora o número de pessoas idosas no país esteja aumentando, o ministro não acha necessário fazer uma reforma no sistema previdenciário com urgência. “O comportamento da arrecadação reflete que há uma mudança e significa que temos uma Previdência equilibrada. É hora de conversar com a população para saber qual o tipo de Previdência que ela quere no futuro. Esse é um debate que precisa ser colocado e é uma questão necessária.”

Daniella Jinkings
Repórter da Agência Brasil
Edição: João Carlos Rodrigues

Comissão cria prêmio Cidade Amiga do Idoso.

Comissão cria prêmio Cidade Amiga do Idoso.

AS POSTAGENS MAIS VISITADAS