EVENTOS

terça-feira, 19 de junho de 2012

Respeito e atenção à pessoa idosa


Mato Grosso do Sul - Audiência pública promovida pela Assembleia Legislativa debateu, nesta segunda-feira (18/06), o "Enfrentamento das Violências contra a Pessoa Idosa em Mato Grosso do Sul". No evento, a presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa, Ednéia Pacheco de Oliveira, ressaltou a necessidade de fortalecer as políticas públicas e a conscientização da sociedade para combater a violência contra a população idosa.

"É lamentável que ainda tenha tantos idosos abandonados nos fundos de quintais, quartos e asilos de nosso país", afirmou Ednéia. Segundo ela, a cultura atual coloca o idoso em situação vulnerável e desrespeitosa. "Muitas crianças desconhecem até mesmo como devem agir em relação aos mais velhos", considerou. 

Para a presidente do Conselho, apesar das dificuldades, ainda há pessoas comprometidas com a questão. "Estamos atentos e procurando uma saída, buscando a parceria e apoio da sociedade", disse. 
Na opinião do promotor de Justiça, Humberto Lapa Ferri, a realidade dos idosos brasileiros é preocupante. "Se compararmos com a situação da pessoa idosa em outros países, veremos que estamos muito aquém do ideal. Em países do Oriente, o respeito ao idoso vem do berço, é uma questão cultural", constatou. 
De acordo com Ferri, é preciso que as entidades ligadas à questão comecem a dialogar em busquem mecanismos de como trabalhar em conjunto. "A sociedade tem que adotar uma nova postura e se conscientizar. Caso contrário, é necessário que ocorra punições severas para quem não cumpre os direitos dos idosos", completou. 
A audiência pública foi promovida em alusão ao Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa, comemorado no último dia 15. Segundo dados de 2010 do IBGE, há cerca de 240 mil idosos no Estado do Mato Grosso do Sul, o que equivale a 10,6% da população total.

Extraído de: Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul



Cobap destaca luta de idosos aposentados e pensionistas

  
A cada dez minutos, um idoso é vítima de violência sexual, física ou psicológica, da discriminação, abandono, exploração ou abuso financeiro. A informação foi repassada pelo presidente da Cobap (Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas), Nelson de Miranda Osório, durante a audiência pública "Enfrentamento das Violências contra a Pessoa Idosa", promovida nesta segunda-feira (18/6), na Assembleia Legislativa. 
Ele destacou a luta de 8 milhões de idosos aposentados e pensionistas que vivem atualmente com apenas um salário mínimo. "Essa é a principal violência sofrida pelo idoso porque o atinge de forma total, impossibilitando uma alimentação adequada e o tratamento de saúde", ressaltou. 
De acordo com o presidente da Cobap, muitos dos trabalhadores idosos precisam continuar trabalhando para ter uma vida digna porque a renda da aposentadoria não é suficiente. "Nosso idoso contribui a vida inteira com o país para depois, lamentavelmente, ver sua aposentadoria perder o poder de compra ano a ano", afirmou. 
Para ele, a situação só poderá melhorar se a sociedade deixar de encarar o envelhecimento como sinônimo de decadência. "Ser idoso é ser capaz, ativo e participativo do conjunto de ações que regem nossa sociedade", frisou. "A boa notícia é que, de acordo com a atual expectativa de vida, os jovens de hoje vão viver mais do que nós, mas se não nos ajudarem, estarão todos aqui novamente daqui 30 anos promovendo essa mesma audiência pública", concluiu. 

Extraído de: Assembléia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul  - 

Nenhum comentário: