quinta-feira, 20 de setembro de 2012

A receita vencedora dos atletas bisavós

SÃO PAULO - Daphinis de Lauro, de 88 anos, Mitiko Nakatani, de 80, e Ivone Ramos, de 70, são bisavôs saudáveis e de bem com a vida. Eles trilharam caminhos parecidos até atingir um vigor invejável para pessoas da terceira idade - abandonaram o sedentarismo depois dos 50 anos, abraçaram uma atividade física e não pararam mais. Daphinis participa de campeonatos de natação há 13 anos. Mitiko, uma celebridade entre os corredores de rua, disputa provas há 23. Ivone começou a treinar natação 18 anos atrás, mas nos últimos 2 migrou para as corridas de rua. A receita dos atletas bisavôs inclui uma rígida rotina de treinos cinco vezes por semana, alimentação controlada e uma constatação: nunca é tarde para começar.


Sedentarismo - Classificado há dez anos como doença pela Organização Mundial de Saúde (OMS), o sedentarismo tem impacto maior na terceira idade. "O envelhecimento é um processo natural, mas é preciso se preparar com antecedência", afirma Sandra Matsudo, especialista em medicina esportiva da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e autora de vários trabalhos que relacionam envelhecimento e atividade física.
Segundo Sandra, o corpo começa perder o vigor a partir dos 30 anos. Entre os 50 e 60 anos, a perda de massa muscular é acentuada, principalmente nos membros inferiores, afetando as articulações e o equilíbrio. A atividade física nessa faixa etária fortalece o sistema cardiovascular e combate a osteoporose. "Praticar exercícios é como fazer uma ‘poupança’ da saúde do corpo", diz.
A maioria, porém, só passa a se mexer quando as doenças crônicas começam a se manifestar. Foi o que aconteceu com Mitiko. Até os 54 anos, ela vivia à base de remédios e calmantes para aplacar as dores nas costas e as crises de hipertensão que tornavam sua vida um inferno. 
Mitiko diz que enfrentou preconceito. "Quando comecei a treinar em pista, os jovens diziam que eu atrapalhava, que ali não era lugar para uma idosa", conta.
Com acompanhamento, ela entrou no circuito de provas de pista e de rua (3 km, 5 km e 10 km) que a credenciou a voos mais altos. Das três maratonas internacionais que disputou, venceu duas na sua faixa etária. Seu currículo inclui o bicampeonato mundial master, dez vitórias consecutivas na tradicional prova da São Silvestre e o recorde brasileiro dos 800, 1.500 e 3.000 metros. Além de treinos técnicos, Mitiko - um casal de filhos, três netos e um bisneto - faz musculação e hidroginástica. No ano que vem, ela pretende abocanhar o tri do mundial master, que será disputado no Brasil.
Daphinis praticou atletismo na juventude, mas caiu no sedentarismo depois que começou a trabalhar como autônomo. Ele só saiu da mesmice aos 56 anos, quando passou a nadar à noite numa academia perto de casa, sem maiores pretensões ou acompanhamento. Aos 75, mudou de bairro e de academia, onde foi estimulado a treinar sob supervisão de especialistas.
Ele admite que enfrentou preconceito de amigos próximos, que consideravam a carga de treinos pesada para sua idade. "Falavam que fazer exercício é muito chato, uma perda de tempo para quem é velho", diz. Daphinis lamenta que todos eles já tenham morrido. "Eles se foram e ainda estou aqui."
Disciplinado, Daphinis acumulou mais de 50 medalhas em provas e ainda conseguiu arrastar a família para a prática de exercícios. A mulher, de 84 anos, nada e faz musculação. O mais velho dos cinco filhos, hoje com 64 anos, compete em provas de 3.000 m e 5.000 m em mar aberto. 

RECOMENDAÇÕES
- Mexa-se: qualquer exercício é melhor que nada. Não espere surgir inspiração ou arrumar tempo para sair da letargia.
- O que fazer: a melhor atividade física é a que lhe dá prazer e entra mais fácil na sua rotina.
- Pacote completo: não adianta iniciar uma atividade física regular sem mudar os hábitos alimentares e de vida.
- Doenças crônicas: se você é hipertenso, diabético ou tem cardiopatia, é recomendável conversar com o médico antes de sair malhando.
- Evite abusos: prefira caminhada, musculação ou natação no início, atividades que estimulam os músculos e o sistema cardiovascular.

Colaboração: Rev. Willian Leal Mendes

Nenhum comentário:

BRASÍLIA/DF - NORMAS COLETIVAS DE EMPREGADOS DE HOSPITAIS NÃO SE APLICAM A TRABALHADORES EM CASA DE IDOSOS

Publicado por Tribunal Superior do Trabalho A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho não conheceu de recurso do Sindicato do...

AS POSTAGENS MAIS VISITADAS